Este é o link do meu livro: Sol Mar Mel, Fragmentos da Vida no CREATESPACE. Você ja pode comprá-lo. Também no AMAZON.COM,BR e no KINDLE (leitor eletrônico) Lembrando que no AMAZON e no KINDLE está disponível em todos os países. http://www.amazon.com/Sol-Mar-Fragmentos-Vida-Portuguese/dp/1508621047/ref=sr_1_1?s=books&ie=UTF8&qid=1424972270&sr=1-1&keywords=Sol+Mar+Mel+Fragmentos+da+Vida


sábado, 26 de dezembro de 2015

CAPTADORES DE INSPIRAÇÃO

Visitante captador de inspiração, estou de olhos bem abertos. Não pensem que não sei sobre as cenas e personagens (meus) que foram parar em novelas.

sábado, 1 de novembro de 2014

ANTES DA LUZ BRILHANTE

Corpos e mentes debilitados aproximam como quem suplicam por ajuda. Sinto me uma espécie de testemunha ocular. Seria mesmo eu apenas testemunha ocular? Por que razão aproximam de mim? Muitas vezes o “ limite” faz com que sejamos mais sensíveis e conseguimos enxergar por uma ótica não muito lógica. Buscamos respostas usando a lógica... e é frustrante porque não se encontra resposta lógica em algo que é ilógico. Gostaria de ficar apenas na zona de conforto e vez quando fazer lhes uma oração... mas meu coração clama por algo mais. Não consigo não me envolver. Vale tudo pelo dinheiro? Amigos ou apenas lições de vida? Meu próximo conto que fará parte do próximo livro. Ainda compondo a trama e as personagens do conto. Quase sempre me baseio em vida real para elaborar meus contos.

domingo, 23 de fevereiro de 2014

FENDAS DO TEMPO

Um homem bissexual está perdido no tempo-espaço. Ele tenta entender tudo a sua volta e nada consegue. Toda a informação que ele tem... São as fendas do tempo: Déjà vu. Sabe aquelas sensações em que juramos ser familiar? Sabe aqueles momentos ou lugares que achamos muito familiar? Pois é, isso em francês se chama Déjà vu. Que mistério está envolto a esse rapaz? Qual a conexão dele com um crime bárbaro? ************** UM PEQUENO TRECHO_______ Vasculhava minha mente tentando entender tudo a minha volta e nada eu conseguia! Estaria eu num manicômio? Os fantasmas seriam enfermeiros vestidos de branco? Não... Não pareciam enfermeiros. Enfermeiros não cantam... Não dançam... Não via outra explicação mais plausível, eram fantasmas com certeza! Tudo era realmente confuso para mim. Pensei que tinha consciência da minha realidade. Pensei que sabia distinguir minha realidade das visões que estava tendo. Eu estava errado! Eu não tinha certeza mais de nada! Estaria eu num manicômio mesmo? Os fantasmas eram criação da minha mente? Não sei... Acho que eu era apenas um louco tentando entender o mundo a minha volta. O tempo foi passando... As vezes as visões cessavam por um tempo. Esse intervalo era importante para eu recuperar meu equilíbrio. Eu tinha que me concentrar na minha... “Realidade”. Era muito confuso acompanhar os “ mundos” a minha volta. Meu livro: SOL MAR MEL, FRAGMENTOS DA VIDA. ******* ON KINDLE -- AMAZON ** LEMBRANDO QUE TODOS OS CONTOS ESTÃO REGISTRADOS NA BIBLIOTECA NACIONAL

OS ANJOS DISSERAM AMÉM

Religiosos disseram amém, religiosos do passado disseram sim e a vida de um garoto foi um inferno por causa desse erro do passado. O perigo dos jogos na internet... O perigo do fanatismo religioso... / Uma mãe desesperada por causa dos erros do passado. O amor incondicional dessa mãe... CORRENTES DO PASSADO ___ Uma garota moradora de uma favela/comunidade, vive com fenômenos estranhos em sua casa. Uma tatuagem a conecta com um passado remoto... Vidas passadas... Um grande amor... Autocombustão... Crime... Uma gostosa aventura. MY BOOK: SOL MAR MEL, FRAGMENTOS DA VIDA. ON KINDLE AMAZON. Digite esse titulo e irá encontrá-lo la.

CORRENTES DO PASSADO

Uma garota moradora de uma favela/comunidade, vive com fenômenos estranhos em sua casa. Uma tatuagem a conecta com um passado remoto... Vidas passadas... Um grande amor... Autocombustão... Crime... Uma gostosa aventura. __ MEU LIVRO: SOL MAR MEL, FRAGMENTOS DA VIDA. On KINDLE _ Amazon. Digite esse o titulo do livro e o encontrará no na maior loja virtual do mundo, AMAZON!

O ENIGMA DA MONTANHA

Uma mulher de 40 anos em crise.... Abandonou o amor de adolescência... Coisas estranhas acontecem no centro montanha vista da sua janela... Algo do além está atrás da montanha atraindo sua atenção e a deixando louca... Amores e assédio moral... /// Enfim, uma linda história de amor que venceu a barreira, vida-morte. INSPIRAÇÃO: Fui convidado p ir ver um filme na casa de dois amigos... Vi na escada da sala deles... Alguém em pé. Algo do além. Por duas vezes em intervalos de uns 7 minutos vi um fantasma na escada deles! Flash rápido de um homem de cor negra. Foi muito constrangedor tocar nesse assunto com eles. Um dos anfitriões duvidou. O outro... Confirmou que outra pessoa também viu um fantasma na casa. A partir daí, minha mente fértil, criou uma história linda! Não é fácil sair do anonimato. Sou um pouco rebelde. Tenho certeza absoluta que minhas histórias cairão no gosto popular, só preciso de paciência e perseverança. ****** Meu livro: SOL MAR MEL, FRAGMENTOS DA VIDA. Está no site da maior loja virtual do mundo: KINDLE - AMAZON! (todos os contos estão registrados na Biblioteca Nacional. Aviso aos buscadores de inspiração: Estou de olho bem aberto. Plagiaram cenas de uns 3 textos/contos aqui no blog. Estou de olho aberto pessoal da televisão. Mais um plágio, vou processar!)

sábado, 10 de novembro de 2012

PORTAIS DA MINHA MENTE

___Um homem recém casado com uma linda mulher vai para Inglaterra em busca de uma vida melhor... Quando chega la... Ele sente que Portais da sua mente se abriram revelando um mundo que ele nunca havia percebido. O escritor... Sente a natureza com sensibilidade super aguçada... Escreve lindos contos... E no final descobre algo EXTRAORDINÁRIO E ASSUSTADOR em relação as suas personagens dos seus contos. *** Meu livro: SOL MAR MEL, FRAGMENTOS DA VIDA. (Em breve em uma loja virtual ou em alguma editora. Postarei detalhes aqui. Aguardem)**** PEQUENO TRECHO: Londres-Inglaterra, ano 2004. récem casado com uma linda morena... Chegamos em Londres com a cara e a coragem. Tínhamos gasto todo o nosso patrimônio naquela viagem e deixamos para trás alguns credores.Tínhamos esperança de dias melhores. Queríamos juntar uma bom dinheiro para recomeçarmos nossa vida no Brasil. Tínhamos muitos planos. Um amigo que j´j morava em Londres nos incentivou a irmos para la. Estávamos ilegais. Não tínhamos documentos e nem permissão para trabalharmos no Reino Unido. E com documentos de falsos portugueses... Conseguimos fazer faxinas. Faxinas em escritórios. Pagávamos o aluguel, despesas e ainda sobrava um bom dinheiro para enviarmos para o Brasil. Fugindo de migração aqui... Ali... Fomos levando a vida. _______________________Aproveitava minhas folgas para fazer o que eu mais gostava, escrever. Adorava e adoro escrever. Minha amada ate gostava do que eu escrevia. Comecei a estimular minha mente... Com o passar dos tempos... Sentia... Que estava mais criativo. Eu estava mais sensível. Por alguma razão que desconheço, Eu conseguia perceber coisas... Situações... Eu quase podia adivinhar certos acontecimentos. Tinha nítida impressão que entendia os animais do quintal daquela casa. Um pássaro todo dia cantava insistetimente próximo ao nosso quarto. Ele parecia querer se comunicar comigo. Quando íamos dormir... Podia jurar que alguém estava sussurrando em meu ouvido. Eu despertava assustado e perguntava minha esposa se era ela quem estava falando comigo e ela dizia que não. Os sons... Ouvia sons que nunca havia prestado atenção. Algo mudou em minha mente. Tinha uma percepção diferente de antes. Eu diria que desenvolvi uma percepção extrasensorial. Com certeza minha percepção estava mais aguçada. Percebia tudo a minha volta. Nada escapa.......... O RESTANTE ESTÁ NO LIVRO: SOL MAR MEL, Fragmentos da Vida. Meu livro de contos. Voc encontrará o final desses contos. Em pouco tempo nas melhores livrarias ou nessa editora (......) Aguardem. **INSPIRAÇÃO DESSE CONTO: Quando eu estava em Londres, podia quase jurar que ouvia sussurros durante ao pré-sono. Sei la, pode ter sido apenas imaginação minha.

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

FLORES PARA ANGEL

São tão lindas as flores... Parece um sonho. A direita, vejo uma plantação de flores. A minha esquerda, outra plantação de pequenas flores com espinhos. Se não me engano, se chama coroa de cristo. Pois é, estou aqui, entre flores e espinhos. Nada mais consigo enxergar além de flores e espinhos. Foi para esse lugar que voce me mandou. Nao tenha medo de mim... Eu não faria mal algum a você. Sabe porque? Por que meu amor sempre foi verdadeiro! Te amava acima de tudo. Você era a razão do meu viver. Não durma, me escuta. Lembro de quando ainda era criança... Voce era a pessoa mais carinhora que tive contato em toda minha vida. Me protegia... Me fazia carinho. Sempre contava histórias para eu dormir. Para mim... Voce era um anjo. O tempo foi passando... E lembro muito bem quando me falou que eu era adotada. Lembro que me falou que não tinha a menor importância. Para mim... Voce era minha irmã; meu irmão; minha mãe; meu pai; meu amigo; minha amiga... Voce era tudo para mim. O tempo foi passando e voce foi se transformando. Aquela pessoa carinhosa... Foi substituida por outra pessoa fria, manipuladora. .................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................... ___________Boa noite razão do meu viver... ____________Escrito por Heliomar Melo ____________(obs.: historia fictícia, qualquer semelhança é mera coincidência.. Foi assustador escrever essa historia. Rrsrsrs Ate agora eu tinha escrito apenas personagens bonzinhos, mas a Angel... Ela é meio má... Rsrrs Quando tenho uma inspiracao, passo dias criando a historia em minha mente. Outro dia,enquanto criava a Angel, cheguei a sonhar com Angel e acordei assustado com minha propria historia! Rsrrsrs Quis nessa historia que o leitor participasse. Nao quis por o sexo e nem a idade do leitor p ter certeza que o leitor se encaixaria na historia. Rsrrs Como sou mal! rsrsr.)

terça-feira, 16 de outubro de 2012

APENAS PARA DIZER ADEUS

Eu estava feliz em ver novamente quase toda a família unida. Afinal, ja não morava com meus pais ha 25 anos! Quando toda familia se junta: Algumas desavenças... Muitas alegrias... Assim foi aquele final de semana. Domingo a noite... Todos da família foram embora para as cidades em que viviam. Apenas eu e minha mãe ficamos na enorme casa. Tudo na casa lembrava meu finado pai. Alias... Naquela pequena cidade tudo lembrava meu pai. Cheguei em clima de política... Festas... Passeatas... As emoções estavam a flor da pele. Esse clima de politica me remeteu aos anos 70. Lembrei das festas de politica dos anos 70... Das festas que antecediam as eleições... Lembrei das primeiras eleições que meu pai foi candidato a prefeito. Cada candidato faz festas. Nessas festas tinham e tem, as alamoças e os alamoços. Eram moças e rapazes que ficavam disponiveis a qualquer pessoa que quisesse dançar. Na época eu era criança e era obrigado a dançar com umas senhoras... Como poderia dizer sem ser ofensivo... Hummm... Que tinham certos odores. Eu reclamava. Mas meu pai sempre explicava que tínhamos que ser educados com os eleitores... Que tínhamos que ser sempre amáveis com os eleitores... Me sentia como que adestrado/educado a ser sempre amável e sorridente. Nunca podíamos ser ásperos com os eleitores. Era muito difícil para mim. Sou temperamental, não gostava e não gosto de ser provocado e não reagir. Era muito chato rir de piadas sem graça para agradar os outros. A vida de filho de politico não era exatamente um mar de rosas. Não era fácil. Voltando ao seculo 21: Entre sorrisos verdadeiros e falsos... Eu circulava por entre ruas pitorescas daquela cidade que tanto amo. Reencontrei pessoas importantes e especiais na minha vida. .............................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................. Flores para um herói... Escrito por Heliomar Melo (Obs.: Historia ficticia qualquer semelhanca mera coincidencia )

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

FÊNIX

Fênix, é um pássaro da mitologia grega que, quando morria, entrava em autocombustão e, passado algum tempo, renascia das próprias cinzas! É exatamente assim que me sinto! Uma fênix! Uma fênix que ressurgiu das cinzas! Já entrei em auto combustao várias vezes! Ja perdi a conta de quantas vezes levantei das cinzas! Perdi a conta de quantas vezes morri! Cansei de morrer! Hoje... Sou essa mulher vibrante e bem com a vida! Sou uma vencedora! Não é atôa que me chamo Vitoria! Sim! Me chamo Vitoria Fênix da Silva! Não posso ser diferente! Sou guerreira! Desde que eu era adolescente... Uma intuição era constante. Não sei porque, mas era uma sensação de que algo me aconteceria logo após eu completar os 30 anos. Não entendia... Mas era uma certeza tão absoluta... As vezes eu pensava que seria algo muito bom. Outras... Algo ruim. Eu era uma moça muito moderna para uma pequena cidade do interior de Minas Gerais. Não via o sexo como tabu e logo após a maioridade não suportava mais morar naquela cidade e ser alvo de comentários maldosos. Queria viver da minha maneir... Sem culpa e sem ferir meus entes queridos. Como não conseguiam me ferir. Entao.. .Feriam minha família. Para nao machuca-los ainda mais... Achei melhor afasta me da familia. Mudei para capital. . Eu queria viver a vida sem compromisso... Sem dar satisfação a ninguém... Não me sentia igual à outras mulheres, que foram educadas para casar... Ter marido... Ter filhos.... Sempre achei que ja tinha muitas pessoas encarregadas de povoar a terra e não estava em meus planos ser mãe e ter uma vida convencional. Gostava de sexo casual... Não queria ter relacionamentos duradouros. Nunca me fez falta ter um homem ao meu lado o tempo todo... Eu era/sou feliz sozinha. Não concordo que para ser feliz precisa alguém do nosso lado. ...Certo dia peguei um resfriado forte. Passei dias muito mal! Fiquei preocupada. Lembrei que fiz sexo sem proteção com 2 pessoas. A primeira não foi tão grave... Mas a segunda pessoa... A qual eu estava começando a pensar na possibilidade de termos algo mais serio... Essa sim! Várias vezes ele insistia numa relação perigosa sem uso de proteção. Eu estava um pouco empolgada com ele e acabei ignorando a proteção. Enquanto estava doente, eu pensava que algo de ruim estava por acontecer. Fui ao médico. Ele pediu exame de hiv. Aconteceu o que eu temia! Fui diagnosticada hiv positiva! Nossa! Não sabia o que fazer! Isso aconteceu numa época em que a morte era quase certa! Sai da clinica arrasada! Nunca imaginei que pudesse acontecer comigo. So vacilei 2 vezes! So fiz sexo sem proteção 2 vezes! Enquanto andava... Parecia que pedacinhos do chão que eu pisava ia desabando nos meus pés. O meu mundo estava acabando diante dos seus olhos! Tantos sonhos não realizados... Eu me perguntava tantas vezes... Porque exatamente comigo. Não entendia.... Eu sempre foi boa com as pessoas. Sempre fui solidária com as pessoas próximas... Realmente eu não entendia porque aquilo estava acontecendo comigo. Procurei minha família. Contei tudo e perguntei se podia voltar para casa... Para casa deles. Eles responderam com um simples, é. Senti uma forte dor no peito. Eles não me queriam por perto. Entendi dessa maneira. Fiquei muito triste. Eu estava sozinha. Minhas bases... Não existiam mais. Amigos? A maioria me evitava. Os verdadeiros amigos ficaram junto comigo. Havia também os que sentiam pena. Não eram amigos, apenas sentiam pena de mim. E isso, me incomodava. Não queria que sentissem pena de mim. Eu queria amizade, amizade verdadeira. Acabei perdendo o trabalho por estar debilitada. Também perdi o apartamento que alugava. Fui morar num apartamento com várias moças. Num minúsculo apto conjugado havia uma cama quadriliche. Camas até o teto. A mulher que tomava conta do apartamento era bacana. Eu estava muito magra... Debilitada... Ainda tinham os efeitos colaterais dos medicamentos. Diarréia... Vômito... Fortíssimas dores abdominais; tontura; parecia que eu não iria sobreviver aos fortes medicamentos. Pensei em desistir de toma-los. .................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................... _________ Reaprendendo a viver._________ Escrito por Heliomar Melo ________________ (obs.: Historia fictícia, qualquer semelhança é mera coincidência. Lembrando que o uso da camisinha protege você do vírus hiv. A Vitoria é uma mulher super independente e não poderia descreve-la de outra maneira. Esta é minha homenagem a todas as mulheres que tiveram seus momentos Fênix, e que deram a volta por cima. )

sexta-feira, 29 de junho de 2012

UMA GAIVOTA NO CÉU

Quando acordei, estava sentado ao pé de um coqueiro na praia do Leme, bairro colado a Copacabana. Estava com roupas rasgadas... Barba por fazer... Cabelo embaraçado.. . Parecia um mendigo. Olhava a minha volta tentando entender o que estava acontecendo. Por mais que eu tentasse... Não conseguia lembrar de nada! Nada! Vasculhei minha mente e nada estava la! Enquanto tentava lembrar de alguma coisa... Meus olhos ficavam maravilhados com o par de olhos azuis não muito amistosos que estavam a minha frente. Aquela linda mulher... Cabelos loiros encaracolados e embaraçados... Ela não sabia, ela não tinha consciência da sua beleza. Eu... Eu ficava olhando pra ela e ao mesmo me perguntando se eu não estava morto e aquilo tudo não seria o paraíso.... Enquanto ela cuidava dos meus ferimentos... Eu analisava cada centímetro do seu corpo bronzeado. Ficava imaginando o que teria acontecido com ela para ela ter virado uma mendiga. Esse novo mundo é cheio de mistérios. Por mim... Ficaria ali sentado... Sendo cuidado por aquela linda mulher. A sensação de paz... Tranquilidade... Era tão boa... Tão boa... Sinto como quem saiu de mundo que estava guerra... E do nada apareceu aqui, nesse paraíso. próximo ao mar. Perguntei a ele porque ele me chamou pelo nome de Antonio. Ele me olhou... Olhou como quem procura alguém. Ficamos um tempo calados. Depois de um tempo... Ele começa a me falar do Sr Antonio. Ele conta que o Sr Antonio é o dono de uma grande rede hoteleira de Copacabana. Ele disse que Sr Antonio havia morrido num acidente de carro. O tempo todo o rapaz me olhava tentando me reconhecer. Ele não tinha certeza absoluta que eu era o tal milionário. ...............................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................
Sempre a ganância...

(historia fictícia, qualquer semelhança é mera coincidência.)

Escrito por Heliomar Melo

quarta-feira, 13 de junho de 2012

ÁRVORES QUE CHORAM

Éramos uma família feliz. Apesar dos problemas... Éramos felizes. Eu e as crianças íamos com certa frequência ao analista. Tínhamos... Problemas... Não sei como explicar com exatidão, mas vinha acontecendo com minha família desde que eu era uma adolescente. Com meus dois filhos... A coisa se repete e com mais intensidade. Tentei de todas as maneiras ignorar o assunto mas... Não consegui. Meu marido é muito paciente. Se não fosse por ele... Nem sei se conseguiria aguentar essa situação.
Comigo acontecia um sonho insistente que quase me deixava louca! Sempre o mesmo sonho! Sonho com uma cabana bem simples com chão de terra. No sonho, lembrava tão perfeitamente de detalhes da cabana como se realmente eu tivesse vivido nela. Mesmo depois que acordava, podia jurar que conhecia aquela cabana dos meus sonhos! Sempre ficava impressionada com esses sonhos. Meu marido sempre dizendo que era besteira minha... E eu? Não. Eu sabia que havia algo errado com os sonhos perturbadores! Era como se algo tivesse acontecido na cabana dos meus sonhos. No fundo eu sabia que a cabana era a chave dos problemas que minha família enfrentava. Ignorei isso por muito tempo.
O menino, meu filho, sonhava com cobras. As vezes, mesmo durante o dia, ele assustava dizendo que estava vendo cobras! Ele sempre disse que sonhava com uma casa entre duas cobras. Não fazia sentido! Percebia que ele sofria com esse insistente sonho... Aparição... Sei la o que! Para acalmá-lo, eu ate mentia dizendo que eram sonhos / visões sem importância. Na verdade eu sabia que era herança da maldição da minha família. Estava passando para outra geração.
A menina, minha filha, também com problemas com os sonhos. A menina chorava com muita frequência. Ela sempre acordava dizendo que as árvores choram. Ela não entendia porque as árvores choravam em seus sonhos /pesadelos.
Minha irmã também tinha os mesmos problemas na família dela. ................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................. Lembranças de outras vidas.

Escrito por Heliomar Melo

(historia fictícia, qualquer semelhança é mera coincidência. Foi inspirada a partir de um sonho que tive. Tudo é fruto da minha imaginação. Ate pensei que a historia ficaria parecida com o filme: Minha vida na outra vida. Fiz de tudo para a historia Não lembrar nada do filme.)

terça-feira, 22 de maio de 2012

EM NOME DO PAI E DO FILHO

De agora em diante eu terei que reaprender a viver. Terei que trilhar novos caminhos. Terei que esquecer o passado. Terei que esquecer as vítimas da minha ira. Errei, errei muito. Tentarei de agora em diante... Não cometer as maldades e erros do passado. Sentado aqui... Nessa areia molhada, admiro as ondas do mar quase calmo. Parece que cada onda vem acompanhada de uma brisa suave... Suave... Quase percebo uma sintonia da brisa com as batidas do meu coração. Essas ondas me faz voltar ao passado. Um passado de conflitos... De vergonha... De covardia...
Eu era jovem e morava numa cidade pequena. Uma cidade conservadora... Uma época onde ainda predominava o conservadorismo... Eu sempre fui muito ligado a religião. So encontrava paz quando estava falando com Deus. Lembro muito bem que eu andava pela mata... Conversava com as árvores... Sentia me conectado com Deus quando estava na mata. Admirava cada inseto... Borboletas... Mas... A puberdade estava aproximando e os desejos na carne... Também. Sentia desejos por pessoas do mesmo sexo... Aquilo me deixava chateado. Não queria sentir o que sentia. Era... Angustiante. Eu era muito religioso e ouvia com frequência os sermões que eu tinha quase certeza que eram direcionados a mim. Tentava ignorar, mas eu sabia que Jesus tinha um plano para mim! Eu tinha uma missão. Eu captava essas informações nas missas e como um quebra cabeça que vai sendo montado... O meu já estava pronto! Finalmente eu sabia qual era a minha missão. Queria ser padre. Queria poder ajudar pessoas na minha situação... Queria dedicar minha vida a religiosidade. Queria ser aceito e respeitado pela sociedade. Queria de uma vez por todas ser “curado”, como diziam alguns religiosos, do mal que apoderava do meu corpo. Queria arrancar esses desejos demoníacos que insistiam em me perseguir.
Depois de muitas conversas com padres locais... Comuniquei minha família sobre minha decisão. Olhei para minha mãe.. Esperei que ela... Fosse contra, mas... Tanto ela como meu pai, ficaram felizes. Afinal, não tinham mais que ficar com vergonha do filho mal falado na cidade.
Fui para o seminário na capital. Logo no primeiro dia fui molestado por outro seminarista. Mas ainda assim encontrei forças para continuar. Queria servir a Deus. Essa era minha missão aqui na terra. Resisti as tentações da carne... Dediquei a leitura da bíblia... Li tudo que meus superiores me indicaram. Horas intermináveis de orações...
Finalmente tornei me padre. Estava feliz. Sabia que tudo iria ficar bem daquele momento em diante. Sentia-me livre de todo aquele mal que me apavorava. Comecei ministrando em pequenas cidades. E com uma ideia na cabeça... Aos poucos, inseri nos sermões as famosas passagens bíblicas anti-gay. Num estudo minucioso... Descobri que são várias passagens. Comecei sutilmente. Depois de algum tempo, ja me sentia um enviado de Deus para combater esse mal que tentava destruir a sociedade... A família... A moral! Mesmo sendo reprovado pelos meus superiores... Eu atacava com veemência a homossexualidade! Virei um ativista anti-gay. Em nome do pai e do filho, em nome de Deus e de Jesus, eu queria que todos fossem curados desse mal! Nunca perdia a oportunidade de atacar esse mal! Muitas, muitas vezes eu mesmo criava essas oportunidades! Eu não respeitava nem velórios! Sempre dava um jeito de alfinetar esses... Essas pessoas! Acreditava que essa era minha missão: Curar esses indivíduos do mal da homossexualidade! Naquela época era fácil. Eu tinha o apoio de toda a comunidade. Também tinha o apoio dos pais das vitimas desse mal! Então... Deus estava comigo, Jesus estava comigo... A sociedade estava comigo! Sentia como se fosse um guerreiro de Deus! Poderoso! Eu estava protegido. O livro sagrado me guiava! Ele dizia para eu não aceitar essas pessoas perversas! Então... Não tinha nada de errado já que eu estava falando em nome de Deus! ...............................................................................................................................................................................................................................................................................................................................
Escrito por Heliomar Melo

(obs.: historia/narração fictícia, qualquer semelhança e mera coincidência. Meu profundo carinho e respeito a todos os verdadeiros cristãos. A todos os cristãos puros de coração. )

sábado, 12 de maio de 2012

VESTÍGIOS DE OUTRAS VIDAS

Via coisas.... Via vultos.... Quando estava dormindo sentia que tocam meu corpo... Muitas vezes assopravam meu rosto. Com muita freqüência eu via reflexo rápido de algo... Alguém quase invisível que saia de frente da geladeira e ia em direção a saída do pequeno apartamento. Algumas vezes podia quase garantir que via uma mãe ajeitando a roupa de uma criança. Outras... Percebia que alguém estava na cozinha lavando as vasilhas... Os assovios... Algo extraordinário parecia acontecer no apartamento no coração de Copacabana. Tenho a impressão que existe um mundo paralelo a minha volta. Coisas acontecem... Não da para ignorar! Sinto que um mundo paralelo existe.
Sinais estranhos... Movimentos quase imperceptíveis para os humanos comuns... Não para mim. Não sei explicar, mas posso quase garantir que consigo perceber um mundo paralelo a minha volta. Seria como uma dimensão paralela? ..................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................... dela...


Sinais além túmulo.


Escrito por Heliomar Melo

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

UM ESTRANHO EM MINHA MENTE

Alguns dias depois que escrevi sobre o lago, fui procurado por um senhor de cabelos brancos. Ele me disse que gostou do que escrevi numa dessas redes sociais sobre um evento que aconteceu num lago congelado. Era sobre a obsessão de uma pessoa para se tornar um artista famoso. O que escrevi sobre o lago: Tento de todas as maneiras me tornar um artista famoso. Algo dentro de mim pede o tempo todo que eu me torne um artista. Coisas estranhas já me aconteceram. As lembranças de um lago congelado não me deixa em paz. Sonho com esse lago o tempo todo. Muitas vezes tenho lembranças desse acontecimento. Algumas vezes sao apenas sonhos outras... Lembrancas. Passo mal e fico sem ar. Vejo em meus sonhos e nas minhas lembranças: Vejo um artista dentro de um lago congelado. Uma espessa camada de gelo o impede emergir. O jovem artista está preso dentro do lago e não consegue sair. Ele procura uma saída... Bate forte na grossa camada de gelo e não consegue sair do fundo daquele lago congelado! La de dentro ele consegue ver pessoas andando sob o gelo acima dele. Ele grita! Grita e ninguém consegue vê-lo! Um nome esta presente nesse acontecimento, Fred. Alguém gritando Fred! Fred! Posso quase ter certeza que ouço esse nome martelando em minha mente o tempo todo! Não conheço ninguém com esse nome. Interpreto esses sonhos, memórias, como... Um artista querendo um lugar ao sol. Um artista querendo ser famoso! Sair no fundo do lago, significa sair do anonimato. Ao mesmo tempo... Acho que minha mente cria tudo isso.
O senhor de cabelos brancos é uma pessoa muito importante de uma das principais emissoras de TV do pais. Através dele... Cheguei onde estou. Sou famoso. Sou ator e roteirista e estou me preparando para ser colaborador em algumas series para TV.
Minha gaiola de ouro... Minha mansão.... Minha esposa linda.... Tenho tudo que sempre sonhei. Estou feliz?.... Estou. Sempre pertenci a esse mundo. Na minha mente... O tempo que vivi no anonimato foi uma aventura. Meu mundo sempre foi esse. Tudo isso estava presente em minha mente o tempo todo. Lembro a primeira vez que entrei num estúdio. Tudo era familiar para mim. Eu reconhecia tudo a minha volta. Era como se eu tivesse... Freqüentado aquele lugar. Os profissionais a minha volta ficavam admirados como eu entendia de quase tudo! Me sentia em casa! Sr Jose, O senhor de cabelos brancos, estava sempre me observando e me admirando. Sentia que a minha presença fazia bem a ele. Talvez eu lembrasse alguém importante em sua vida. Achava estranho ter me ajudado, mas eu acreditava no meu talento. Sr Jose sempre me convidava para sairmos... Ele adorava falar da sua amada. Sempre vinha com fotos dela e as vezes de maneira insistente me mostrava. Não entendia porque aquele senhor sempre me mostrava fotos da sua esposa. Algo enigmático em seus gestos me deixava pensativo. Havia algo que ele parecia esconder. Eu pensava: Sei la, pode ser apenas imaginação minha, afinal, eu tinha imaginação muito fértil. Rsrs Por isso era roteirista! Rsrssrs
Naquela semana eu tinha uma folga de uns 3 dias. Ele me convidou para irmos ao Jardim Botânico. Disse que sua esposa iria e estava ansiosa para me conhecer. Pontualmente eles chegaram em frente ao portão principal. A esposa dele me cumprimentou e... Estranho, ela, me abraçou tão forte.... Tão forte.... Parecia não querer me largar. Discretamente, Sr Jose fez um gesto a ela reprovando sua atitude. Eu fingi que não vi. Os olhos dela lacrimejavam. Houve um instante de silencio até que Sr Jose, nos apressou para entrarmos. Ela não se conteve, segurou minha mão. Não me importei, eu adoro pessoas idosas. Ainda vi Sr Jose balançando a cabeça reprovando mais uma vez o gesto da sua amada. Ela balançou os ombros como que não estava nem ai para sua censura. Ela era tão fofa... Dava vontade de pegar em suas bochechas. Rsrs Passeamos.... E em uma sorveteria, ela decide que deveríamos tomar um sorvete. Ela já foi logo dizendo: O seu é de coco-queimado, certo? Eu disse sim. Fiquei indagando com meus pensamentos: como ela sabia que gosto de sorvete de coco-queimado?
Fiquei observando os dois. .................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................... Escrito por Heliomar Melo


(historia fictícia qualquer semelhança é mera coincidência. As cenas onde o fantasma tenta ocupar o corpo do rapaz... Tenho quase certeza que eram verdadeiras. Aconteceu comigo em Londres. Narrei elas no post: EU E MEU FANTASMINHA QUERIDO; SOBRENATURAL ACONTECEU EM HACKNEY; ESTAÇÃO DE FANTASMAS. )

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

ORQUÍDEAS E LÍRIOS DO CAMPO

Sinto um vazio dentro do meu peito... Por mais que eu tente... Ainda não consigo acreditar no que aconteceu comigo. Ainda bem que meus fantasmas estão aqui. Engraçado, eu que nunca acreditei no sobrenatural... Agora vejo quase que nitidamente meus 3 fantasmas protetores. Graças a eles fui salva, salva de terminar como esse moribundo deitado nesse leito a minha frente. Tento me despir de todo rancor que sinto... Mas não sei se conseguirei. Meu coração está cheio de ódio. Esse homem que está morrendo a minha frente... Está levando parte de mim junto com ele. Sinto que parte de mim também está morrendo. O meu amor por ele era tão imenso... Como pude acreditar nele? Porque ficamos cegos com o amor? Como não consegui perceber toda a trama orquestrada por esse moribundo? Olho para esse infeliz com lágrimas falsas... E não imagino que “ isso”, foi um ser humano algum dia. Tenho vontade de arrancar meu coração por ter me enganado! Fui iludida! Como dói! Como dói a dor da traição! Não sei se terei forças para continuar a viver.
O que me conforta é a presença dos meus fantasmas protetores. Sinto a presença deles e quase posso vê-los nesse momento tão doloroso da minha vida. Nem acredito que já tive muito medo desses fantasmas. Lembro a primeira vez que os vi. Isso foi há 3 anos atrás. Os vi dessa maneira: Próximo a entrada da minha casa, eles estavam sempre em pé. Todos de Túnica branca. Eram 3 fantasmas descalços. Dois senhores e uma senhora. Não os via claramente. Via reflexos rápidos. Vi na primeira vez que seguravam flores. Senti muito medo na época. Não entendia porque eles apareciam para mim. As aparições continuaram, agora podia ouvir um sussurro lento. Uma palavra e... Em seguida... Orquídeas e os lírios do campo. Não conseguia entender a primeira palavra. Tudo era tão rápido... O medo tomava conta de mim... Acabava sempre esquecendo dessas aparições. Eu estava num momento tão maravilhoso da minha vida que não dei muita atenção à essas coisas. Eu estava muito feliz. Havia encontrado meu grande amor! Meu Deus, como eu estava feliz!
............................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................. Flores e venenos da vida.

(história fictícia, qualquer semelhança é mera coincidência.// Obs.: Tem alguns conflitos com passado e presente. Tenho pressa em publicar. Farei correções depois.)

Escrito por Heliomar Melo

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

O PÉ DE AMORA

O mar de Copacabana está lindo hoje. Águas tão azuis... O céu está mais azul que o normal. Gaivotas voam para la e para Ca. Algumas vieram em direção a minha janela. Pensei que fossem entrar. (Rsrs) Fizeram uma manobra radical, peguei carona e acompanhei o bando de gaivotas. Minha mente acompanhou o bando de gaivotas como que me levando a um passado nebuloso do qual eu queria esquecer.
Eu era apenas uma menina como outra qualquer. Meu rosto era de um anjo. Minha voz era meiga... Lembro muito bem que por onde eu passava... Eu despertava a atenção de todos. Eu era linda... Meu rosto era delicado. Parecia o rosto de uma boneca de porcelana. E por falar em bonecas... Ahh... Eu era fascinada por bonecas! Bonecas grandes! Eu sonhava com bonecas com freqüência. Queria tanto uma boneca grande de porcelana...
Eu adorava subir no pé de amora. Passava horas la em cima comendo amoras. Comendo amoras com lágrimas. As amoras ficavam com gosto diferentes com lágrimas. Chorava... Cantava... Cantava muito. Enquanto cantava, Balançava os galhos e fazia uma espécie de balanço. Sentia o vento nos meus cabelos encaracolados. Ficava imaginando meus cabelos longos. Imaginava que eu seria uma mulher linda de cabelos compridos... Em cima daquela árvore eu me sentia uma menina livre! Feliz! Eram apenas eu, o pé de amora e o vento. O pé de amora era um dos meus refúgios. Eu adorava e odiava o pé de amora.
Certa vez, minha mãe me pegou brincando com a boneca da filha da vizinha. Ela me agarrou pelo pulso e me arrastou até nossa casa, foi direto para o fundo do quintal, pegou um galho de amora. Me bateu. Bateu até o galho se desfazer por completo. Não satisfeita, ela me arrastou de novo até o pé de amora. Retirou um novo galho e começou novamente a tortura. Eu tentava desviar do chicote, mas ela era forte. Seu pé prendia meu pescoço. Além das chicotadas, eu ainda ficava sem respirar. Ficava sufocada! Eu gritava por socorro, ninguém aparecia! Os vizinhos não queriam se indispor com minha mãe. Apenas uma vizinha se intrometia, mas ela não estava naquele dia. Ninguém aparecia para fazer minha mãe parar com aquela tortura.
Eu era apenas uma criança. Não sabia exatamente porque estava apanhando. Não entendia a fúria da minha mãe. Eu apenas estava brincando com uma boneca! Não fiz mal a ninguém! Porque minha mãe me batia? Meu irmão é quem cuidava dos meus ferimentos. Ele colocava água com sal. Ardia muito! Não entendia porque essa maldade com uma criança inocente e indefesa...
Aos 9 anos começaram os pesadelos. Sonhos perturbadores. Sonhava constantemente com uma igreja... Uma capela... Casas em miniatura. Na verdade parecia uma cidade em miniatura. Também via a imagem de um homem e de uma mulher. E a frase? Via uma frase: Estaremos unidos para sempre. Muitas noites mal dormidas. Também não entendia o porquê desses sonhos. Aliás, não entendia um monte de coisas.
Eu passava horas em frente ao espelho. O espelho era o meu outro refúgio. Meu espelho mágico me permitia viajar para um mundo de paz e harmonia. Eu u ficava horas em frente ao espelho admirando minha beleza. E minha mãe.... O tempo todo de implicância! Ela dizia: Saia da frente desse espelho! Va procurar o que fazer! Ela não dava sossego.
Com o passar do tempo... Eu estava intrigada. Havia algo errado comigo. Eu Ja estava no início da adolescência. Algo em meu... Espelho mágico não estava certo. A imagem que eu via no espelho não era a minha! Eu estava tão confusa... Procurei umas amigas, e elas confirmaram as minhas suspeitas. Disseram que eu não era uma menina! Sabiam o tempo todo, mas não se importavam com isso! Elas gostavam de brincar comigo. A partir daí, passava mais tempo em cima do pé de amoras chorando e comendo amoras. Eu não me conformava! Eu agora percebia que eu não era uma menina e sim um menino! Mas como eu poderia um menino? Não fazia sentido! Eu me sentia menina! Lembro que eu ia para frente do espelho e repetia: Eu sou uma menina! Eu sou uma menina! Eu sou uma menina! Mas como eu podia explicar detalhes masculinos eu meu corpo? Não entendia aquilo! Minha alma de menina estava presa num corpo que não era o meu! Agora eu entendia porque minha mãe me batia tanto! Agora eu entendia porque não podia brincar com bonecas! Meninos não brincam com bonecas!
Eu tentava esconder o detalhe que tanto me envergonhava. Tentava disfarçar minha genitália masculina. Aquilo era como uma maldição! Fiquei revoltada. A partir daquele momento eu afirmava a todos que era uma menina! Os insultos vinham de todas as partes!
............................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................... Os pesadelos não paravam. Eu estava confusa e triste. Com mais freqüência eu tinha os sonhos intrigantes. O mesmo sonia, qualquer semelhança é mera coincidência. Reforço aqui todo meu respeito e carinho por todos os transexuais e travestis.// Obs.: Alguns erros de concordância são propositais.Quero que a estória pareça uma conversa com o leitor. )

Escrita por Heliomar Melo

sábado, 3 de setembro de 2011

RESQUÍCIOS DE OUTRAS VIDAS

Setembro 2010, Tottenham Court Road,rua do centro de Londres/Inglaterra. Andando em direção... Deparei com uma cena estranha. Eles estavam todos de cabeça baixa! Eram centenas deles! Todos estavam como que... Congelados! Estavam na me .................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................. (Obs.: A cena dos pombos é verdadeira. Fiquei impressionado de ver os pombos na mesma posição.Todos de cabeça baixa na mesma praça que citei. Vi mistério nessa cena. / Criei essa estória a partir do meu post onde narrei essa cena. / Pessoal, eu escrevo fantasia. O titulo do blog propõe, fantasia. Quem gosta de fantasia... Seja bem vindo. Quem não gosta... Não acho que meu blog seja leitura indicada. // Tive altos picos nas estatisticas no Brasil. Meu blog comeca a ter notoriedade.Obrigado Brasil! Tento escrever para adolescentes e adultos./ Mico na web? I dont care! Continuarei escrevendo. Acredito em mim e no meu potencial.)

Escrito por Heliomar Melo

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

O HOMEM DE BARRO

Arpoador, Rio de Janeiro Brasil. Sentado no calçadão da Pedra do Arpoador, eu admirava um morro com aparência quadrada. Incrível! Como um morro pode ser quadrado? Os raios dourados do sol tornava ainda mais encantadora aquela vista. Podia ver um pouco a minha direita o Cristo, O corcovado. Como é lindo... Atrás, a minha esquerda, a Pedra do Arpoador, uma imensa plataforma plana! Até parece que a qualquer momento um disco voador vai aterrizar naquela gigantesta pedra plana.
Em sintonia com aquelas pessoas que também admiravam a mesma vista... Meus pensamentos foram para uns dias no passado. Lembrei que estava andando pela av Presidente Vargas (Rio de Janeiro), passava exatamente na frente do Sambódromo. Quase podia ouvir a alegria dos maravilhosos desfiles das escolas de samba. Andei mais adiante, embaixo de uma passarela... Vi um... Algo... Algo coberto com um cobertor velho. Estava frio. Achei aquilo estranho. Olhei melhor e pude ver os pés de alguém. Sim! O/> ...................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................... Pouco tempo depois... O
( Obs.:Impossível as várias espécies de hominídeos estarem juntos ao mesmo tempo. Elas eram separadas por “milhões” de anos . Impossível essa historia.)

Escrito por Heliomar Melo

quarta-feira, 22 de junho de 2011

O OLHAR DOS OLHOS MEUS

De repente comecei a ver vultos. Vultos de algo que eu não sabia definir. No principio não dei muita atenção. Achei que fosse apenas algo nos meus olhos. Uma poeira... Alguma irritação...
Já no terceiro dia... Via com clareza os olhos azuis de uma mulher. Os olhos se destacavam! Foi como um flash! O semblante de uma mulher loira. Mas não conseguia enxergar com definição aquele rosto. Apenas os olhos de um azul intenso eu conseguia ver.
Com o passar dos dias... Foi intensificando. Via aquele vulto... Aquela sombra.... Com muita freqüência! Por duas vezes quase fui atropelado porque minha atenção foi desviada pela... Assombração? Sei la... Não sabia explicar o que estava acontecendo. O tempo todo aquela imagem vinha a minha mente... Ou a minha frente... Era confuso... Eu... Estava perdendo o sentido da realidade. Aquilo contrariava qualquer noção de lógica da qual a conhecemos.
E mais dias... Comecei a sonhar com minha falecida mãe. No sonho, ela tentava me contar algo... Não sei exatamente o que era, mas uma palavra era repetido várias vezes. Ternurinha. Porque ternurinha? Porque minha falecida mãe me falava o diminutivo de ternura? Ela nunca se referiu a mim e nem a ninguém que eu conheço desta maneira. O que ela estava tentando me dizer?
Eu sabia que havia alguma ligação com a moça das minhas visões. Eu sabia que a palavra “ternurinha” estava ligada à moça das minhas visões... Mas não entendia...
....................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................
Sempre.... O amor.

Escrito por Heliomar Melo

sexta-feira, 13 de maio de 2011

PÉTALAS DE ROSAS VERMELHAS

Um lindo buquê de rosas vermelhas estava em minhas mãos ... Quem estava me dando as rosas... Com certeza não sabia... Não sabia que rosas vermelhas me faz sofrer. Quem as vendeu teve todo o cuidado de enfeita -las com gotículas de água. Meus olhos adentraram no orvalho daquelas rosas que estavam nas minhas mãos, me levando a um passado distante do qual eu queria esquecer.
Eu era apenas mais uma menina no sertão nordestino. Aquele longo período de seca nos castigava. Quantas e quantas vezes perguntei a Deus porque tínhamos que sofrer tanto! Que mal fizemos? Meu grande sonho era ir embora! Ir para um lugar e viver com um mínimo de dignidade. Nenhum ser humano merece tanto sofrimento.
Minha mãe fazia serviços autônomos numa fazenda um pouco distante da nossa casa. O dinheiro não era suficiente para as despesas. Ela era um pouco amarga... Era sofrida...
Com a morte do meu pai... Ela teve que sustentar a mim e minha irmã sozinha. Várias vezes comíamos apenas palmas! Isso mesmo, comíamos a comida dos animais! Também fazíamos farofa de formiga. Tirávamos a parte de trás da formiga e fazíamos uma deliciosa farofa.
Dois anos após a morte de papai, mamãe resolve se casar novamente. Ela não conseguia nos criar sozinha. Ela dizia que precisava de alguém para ajudá- la. Meu padrasto entrou na nossa casa e tudo parecia tranqüilo. Ele me deu de presente uma roseira linda! A plantei num lugar especial ao lado da casa. Cuidei daquela roseira como se fosse minha vida! Aquela roseira, para mim, era um símbolo de esperança... Era meu elo com algo maravilhoso que iria me acontecer! Era dessa maneira que eu via a roseira. Eu c ................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................. Todas as rosas da nossa vida....

(Comecei a ouvir a historia dessa brava mulher, achei interessante. Combimos p que ela me conta toda a historia. Sabia sobre... Ela ter sido molestada mas nao sabia por quem! Na pressa acabei criando por conta propria o seu agressor. Dias apos, ela me contou toda sua historia.Muito diferente dessa historia. Todo meu carinho a essa mulher de fibra e de bem com vida! )

Escrito por Heliomar Melo

sexta-feira, 15 de abril de 2011

O ÚLTIMO ANUNNAKI

Sou talvez o último dos Anunnakis. Viemos para Tiamat,( terra) há mais de 500 mil anos atrás. Nossa cultura foi difundida pelos povos Sumerianos que já habitavam a antiga mesopotâmia hoje, o Iraque. Os sumérios já sabiam que existíamos . Eles narraram em sua mitologia sobre o décimo segundo planeta no sistema solar. Esse planeta se chama Nibiru. Tem a maior órbita do sistema solar. 3.600 anos é o tempo do seu ciclo solar. Ou seja, de 3.600 em 3.600 anos o planeta Nibiru entra no sistema solar, já que também faz parte dele. Éramos alienígenas auto-suficientes. Segundo meus ancestrais, vivíamos em paz até que numa colisão com um asteróide quase exterminou nossa raça. Fomos atraídos pela órbita terrestre. Colidimos com marte e causamos o que todos já sabem. . Em seguida colidimos com tiamat, terra. Fragmentos da colisão formou a lua. Parte do meu povo conseguiu sobreviver. Parte do nosso planeta ficou na terra e a maior parte voltou para sua órbita normal. Tínhamos outra forma. Mas quando interagimos com os terrestres... Nossa raça foi sendo ... Modificada. Não conseguimos viver muito tempo na atmosfera terrestre . Por isso não estamos mais vivos. Não na forma terrestre. Todos os anunnakis estão mortos aqui na terra. Mas... Como temos uma capacidade maior, nos mantemos vivos no mundo dos mortos. Nossos espíritos continuam vivos. Claro que depende dos fatores que narrarei La embaixo.
Os sumérios nos chamavam de , os deuses astronautas da Suméria por causa da nossa tecnologia. Aproveitamos suas crença e medos para escravizá-los. Construimos pirâmides... Muitos monumentos ... Nossas pirâmides são admiradas até hoje!
Aos poucos fomos sendo eliminados pela atmosfera terrestre. ...............................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................
(Obs.: Sobre os dedos: Eu estava dormindo quando tive a sensação que alguém segurava meu dedo anelar. Se foi sonho... Nao sei. Mas parecia real!rsrsr ///Fiz pesquisas na internet sobre os Anunnakis e os sobre os Sumerios. Povos sumerianos que viveram na antiga mesopotâmia. Hoje Iraque. Sobre serem fantasmas... Terem sido transformados em mitos... Tudo isso é fictício.Os anunnakis, fazem parte da MITOLOGIA dos povos sumerianos.)


Escrito por Heliomar Melo

domingo, 13 de março de 2011

NOSSAS OUTRAS VIDAS

Entrei por um enorme portão.. La na frente, debaixo de uma árvore de médio porte me sentei. Todos se acomodaram. Escondíamos na sombra da árvore. Me contorcí para trás e pude ver la no fundo, uma imensa árvore frondosa... Majestosa... Meu encanto pela árvore foi interrompido por alguém no grupo que me chamava a atenção. Uma moça começou a rezar. Era missa de sétimo dia do falecimento do meu herói... Do meu pai. Não sei se estava triste ou aliviado. Passei 30 dias com ele antes de ele morrer. Ele sentia dores o tempo todo! Eu não podia fazer nada! Todas as noites eu o ouvia esmurrar as pernas num sinal de raiva pelas dores que sentia . Acho que ele tinha vergonha de chorar. Os gemidos... Cruzavam a noite. Me sentia impotente. Uma das pessoas que mais amava na minha vida estava ali, perto de mim, sofrendo e eu não podia fazer nada! Agora ele não sente mais as terríveis dores. Ja passei por muitas experiências ruins mas aquela....
Meus pensamentos cessaram com um canto insistente de dois pássaros da árvore la atrás! O ritual católico continuou. Um pequeno grupo de pessoas se esforçava para atenuar nossa dor. Eu minha mãe e meus irmãos estávamos de mãos dadas. Cânticos lindos confortava meu coração . Os pássaros... Agora cantavam na rede elétrica ao lado direito. Parecia que eles queriam chamar minha atenção. um passado distante. Tudo que a moça lia... Me lembrava exatamente o foi dito quando meu grande rei Tutancâmon................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................
“Pai, sei que tivemos desavenças... Mas o amor um pelo o outro sempre foi recíproco! Esteja onde estiver, te amarei eternamente! Obrigado por tudo! Descanse em paz!!”
(Obs.: Essa é minha homenagem (meio torta) ao meu herói favorito: Manoel de Fátima de Melo, seu Nenê Prefeito de Sta. Tereza de Goiás-Go. Meu pai de verdade. O perdi dia 03.03.11 // Meu pai é católico.Respeito sua religião.Descanse em paz meu pai!!)

Escrito por Heliomar Melo

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

SENTINELAS DA ILHA

Recuperávamos da nossa grande tragédia. So restaram eu, minha esposa e meu menino mais velho. Perdemos tudo. Minha mãe, dois outros filhos , minha sogra. Toda minha família foi soterrada num desmoronamento na região serrana. Lágrimas... Não havia mais lágrimas. Todo nosso patrimônio foi por água abaixo. Naquela madrugada, tentei salva-los mas não consegui!! Fragmentos de mim... Ainda tento inutilmente juntar.
Meses depois da tragédia, estávamos recuperando. Não estava fácil morar na cidade grande. A violência era constante. Eu temia pela segurança da minha família. Morávamos num bairro muito pobre e violento do subúrbio.
Além das terríveis lembranças da tragédia daquele dia infernal, ainda era incomodado com assustadores sonhos........................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................... Ilhas e muralhas da vida.

Escrito por Helio mar Melo

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

ALÉM DOS SINAIS

Era uma tarde sombria. Chovia muito. Relâmpagos e trovoes assustavam os moradores daquela pequena cidade.
Uma moça caminha lentamente no meio da tempestade sem se importar com os raios e os trovoes. Uma pequena bagagem parece ser tudo que ela tem. Seu olhar vago parece ter desistido da vida. A qualquer momento ela poderia ser atingida por um raio. Mas ela não se importava.
A moça podia ver de longe um rapaz vindo em sua direção. Ele também parecia desolado. Era um jovem rapaz. Os dois aparentavam muito jovens.
Como em camara lenta os dois iam se aproximando e ao mesmo tempo seus semblantes iam mudando. Os rostos desolados e tristes, aos poucos foram substituídos por semblantes de alegria e esperança.
Os dois estranhos param de frente um para o outro. Se olham. Ele passa suavemente os dedos no rosto da garota. Ela retribue. Os carinhos continuam. Palavras... Não são ditas. Nenhuma palavra foi dita ate aquele momento!
Intercalados, a cada raio e trovão, um deles volta o pensamento ao passado relembrando as magoas e o motivo de estarem na rua.
A moça: A lembrança era tão clara como os raios. Sua mãe a expulsa de casa . Vizinhas de sua mãe acenam apoiando sua expulsão.
O rapaz: A lembrança dele era de orfanatos. Incêndios e confusão fazem parte de suas lembranças. A cada raio, uma lembrança. Pessoas assustadas também o expulsa de suas moradias.
As lembranças cessam. Beijos, raios e trovoes mais intensos, enfeitam aquela cena. Os dois, sem trocar uma palavra se quer, se beijam numa explosão de amor! Por alguma razão, as forças da natureza os uniu! Entre raios e trovoes e molhados... Eles saem de mãos dadas esperançosos.
.................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................. (Fui passar uns dias na casa da minha irma em Goiania/Go. E.. comecei a sentir cheiro de sangue.Limpei várias vezes a casa toda mas... O cheiro continuava. Até que minha irma confessou que um antigo morador suicidou-se na casa. Atirou na própria cabeça e o sangue ficou espalhado.// Tambem tem outro fato real na historia. Tive a nitida imprenssao que corri risco de vida.Nao posso falar.Mas está na historia! Escrevi essa historia e ao mesmo tempo enviei um aviso. Como se eu dissesse: Eu entendi o que voce pretendia fazer! Fiquei com muito medo na epoca. O realismo da historia... Tem um fundo de verdade.)


Escrito por Heliomar Melo

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

A MALDIÇĀO DA ADAGA

Egito ano 1500 ac, Uma linda adolescente egípcia encanta todos os homens por sua extrema beleza! Nefertiti tinha apenas 18 anos. Ela era considerada a mais bela da cidade de Menfis! Ela era bela e ao mesmo tempo... A maldade em pessoa! Diziam as más línguas que ela era a própria encarnação do diabo! Por onde ela passava... Deixava um rastro de desgraça, vergonha e desordem! Ela era rica e poderosa! Herdeira de uma fortuna incalculável! Muitos diziam que ela era a reencarnação de uma mulher também muito bonita que foi apedrejada até morte por homens num passado remoto. Essa mulher anterior a Nefertiti, era apaixonada por um rapaz, mas sua familia muito pobre a vendeu a um principe muito mau. Depois de algum tempo, encontrou com o com o seu amor de infancia. A viram com ele, ela foi acusada de adulterio. A lei daquele tempo era severa,e pela lei, ela e seu suposto amante,(seu amor de infancia) foram apedrejados por todos os homens! Dizem que enquanto ela e seu amado eram apedrejados, ela jurava vinganca a todos os homens e que encontraria o seu amado.
Achavam que essa mulher do passado, voltou na pele de Nefertiti para se vingar de todos os homens da terra!
.......................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................... Qualquer Segredos de outras vidas...

(Historia 70% real. A Kátia existe. Ela me contou e autorizou a escrever sua historia. Obs.: Ficção:A parte da maldosa Nefertiti, é fictícia. A regressão da Kátia parou,segundo ela, na arena onde a mãe enfia a adaga em sua barriga. O resto é fruto da minha imaginação .// Kátia e Ana, são 2 amigas que gosto muito. Dedico essa historia a elas.)

Escrito por Heliomar Melo

terça-feira, 9 de novembro de 2010

AGORA POSSO VOAR

Prefiro o galho mais alto da árvore. Gosto de ficar admirando as estrelas. Tento inutilmente conta - las. Rsrs E minha mãe... A todo o momento gesticulando e sinalizando que eu teria que dormir. Afinal, nos primeiros raios do sol, teríamos uma grande jornada pela frente. Essa nova mamãe é um pouco severa, mas ela tem razão, esse novo mundo é bem diferente.
Hoje as estrelas estão mais brilhantes. Fecho meus olhos e posso ver como se fosse hoje a minha outra vida: Lembro dos meus irmãos.... Das nossas brincadeiras... Lembro do presente que papai me deu... Ele mentiu dizendo que foi papai Noel quem deixou aquele presente na lareira. Rsrrs Eu fingi que acreditei. Eu não acredito mais em papai Noel... Rsrs Mamãe.... Que saudades dela.... O cuidado que ela tinha comigo..... O carinho.... Aquela sensação de proteção... Aquele carinho era como rajadas refrescantes da brisa do mar!
Naquele dia estávamos felizes. Íamos a um sítio passar o final de semana. Eu, mamãe, papai e meus dois irmãos. Lembro muito bem que ajudei mamãe a preparar os sanduiches . Papai estava feliz, afinal, teria um bom descanso. E fomos nós estrada afora. Eu e meus irmãos brincávamos fingindo também dirigir o carro e... De repente... Ouví um estrondo! CRASH! Escureceu! Quando acordei, estava num quarto. Sim. Um quarto com paredes brancas e teto na cor laranja. Meus pais estavam próximos e choravam muito. Mamãe acariciava meu rosto. Suas lágrimas desciam pelo seu rosto. Papai me pedia perdão por achar que tinha culpa do acidente. Todos os outros estavam bem. Tiveram pequenos arranhões. Isso eu ouvi mamãe dizer para alguém que também estava dentro do quarto. Meus irmãos estavam em outro quarto.
Passaram-se dias e minhas dores me atormentavam! Sentia como se facas furassem meu corpo! Eu implorava a Deus para que terminasse com meu sofrimento. Queria gritar que acabassem com aquela tortura, mas não conseguia! Nem os olhos eu conseguia mexer! Aqueles tubos prolongavam ainda mais meu sofrimento! Mamãe não queria que eu fosse embora. Mas... Eu não estava mais suportando as dores.... Eu tentava através do meu olhar dizer a ela que desligasse os aparelhos... Mas ela não entendia... Tentei inutilmente também dizer a ela que queria ver pela última vez as estrelas. Eu queria ver as estrelas! Mas ela também não entendeu...
Aos poucos... As dores desapareceram. Veio aquela sensação de alivio... E foi... Escurecendo... Escurecendo.... Ainda pude ouvir barulho de terra caindo. A partir desse momento me senti um minúsculo ponto vermelho-sangue levitando... Levitando... Fui me afastando da terra. Como um cometa, fui em direção ao grande buraco negro. O centro do universo! Fui sugado e levado a um quase infinito labirinto que parecia nunca ter fim! Era uma sensação maravilhosa... Na verdade eu não queria que aquela jornada terminasse! Já podia ver de longe uma luz brilhante, um amarelo intenso.... Fui aproximando... Aproximando... Mergulhei naquele creme gelatinoso amarelo! Fiquei exatamente no centro! Era como água morna envolvendo meu corpo. Não tinha plena consciência do que estava acontecendo. Um pouco de tempo... Fui crescendo... Crescendo... Ate encostar no teto. Com muito esforço consegui quebrar o teto. E sai daquele... Caixote. Não entendia o que exatamente estava acontecendo. Logo em seguida sentí um enorme tapete em cima de mim. Me mantinha aquecido. Por dias sentí aquele calor gostoso do enorme tapete. Que coisa estranha... O tapete se mexia! Fui crescendo embaixo do tapete... E aos poucos percebia que não era um tapete que me aquecia... Era um pássaro! Sim! Um pássaro! O tapete era um pássaro! As asas do pássaro me aquecia! Eu... Eu também era um pássaro! Aquele pássaro na verdade era minha mãe! E havia mais outros dois pássaros próximos a mim! Eram meus irmãos! Eu agora sou um pássaro, que incrível! A surpresa que veio seguir me deixou... Perplexo! Eu estava no quintal da casa que eu morava quando eu era humano! Da minha casa!
Enquanto minha mãe ave nos ensinava a voar, eu esperava o momento certo para rever minha mãe humana. Os treinamentos eram constantes!
Finalmente, agora posso voar. Posso voar sozinho! Que sensação fantástica! Se os humanos tivessem ideia do quanto é maravilhoso voar...
Desobedecendo as ordens da mãe ave que recomendou que eu não aproximasse dos humanos... Me enchi de coragem e pousei no ombro da minha mamãe humana que estava no quintal. Tentei me comunicar mas ela não entendia! Cantei todos os cantos que aprendi mas, ela não entendia! No último instante... Ví algumas lágrimas saindo dos seus já envelhecidos olhos. Aquilo foi uma glória para mim! Não era muito, mas já estava satisfeito. Afinal, já tenho outra mamãe. Também amo minha mamãe ave.
Todos os dias que se seguiram me aproximei mais da velha mamãe humana. Ela sempre fica feliz em me ver. Gosto de ver seu sorriso. Lembra minha outra vida. Também ví meus irmãos humanos. Estavam bem e felizes. Finalmente encontrei paz.
Minhas queridas estrelas brilhantes, eu passaria minha vida inteira admirando vocês, mas agora tenho que dormir. Amanhã teremos uma grande jornada! Temos que cumprir uma rota migratória desconhecida. Agora sou mais experiente, sou um pássaro adulto.

Voando por ai...

(Sofrí muito para encarnar essa criança. Passei a noite inteira imaginando e criando essa história. Me emocionei. //// Inspiração 1: Minha inquietação pela demora do Robin Hood.(o pássaro que domestiquei e que pasava horas assoviando com ele) Estou prestes a voltar para o Brasil e queria vê-lo pela última vez. Ele deve estar migrando. // Inspiração 2: Uma linda mensagem que recebí de uma moça chamada Lila Lima. Ela captou minha essência. Ela, conseguiu perceber que para mim, o ser humano é o diamante mais precioso da terra.)

Escrito por Heliomar Melo

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

VIDA NĀO TĀO FÁCIL

Fico aqui olhando dessa janela... Vejo meu menino correndo... Brincando na rua com os colegas... Uma alegria invade meu coração... Ate esqueço das cicatrizes de um passado doloroso do qual eu penso que jamais esquecerei. Fico admirando meu menino e ao mesmo tempo... Lágrimas descem pelo meu rosto. Meu marido aproxima... Com os olhos também cheios de lagrimas... Suavemente limpa minhas lagrimas. Faço menção de falar alguma coisa... E ele... Solidariamente.... Coloca seus dedos por entre meus lábios com quem diz: Não. Não precisa dizer nada. Eu sei o que quer me dizer... Não sofra... Eu também fui convivente. Isso também me machuca. Nesse momento... Vejo lágrimas cristalinas descendo pelo rosto do meu homem.... Do meu amado e idolatrado marido. Eu amo tanto... Nosso amor foi capaz de suportar a pior agressão ao ser humano. Eu sei que um dia superaremos essa dor.
Eu era, eu sou.... Acho que sou ainda apesar do que fiz, sou uma mulher religiosa. Gosto de ir a igreja todos os domingos... Gosto da vida simples de pessoa do interior. Gosto de falar com os vizinhos....
Preciso voltar a um passado não muito distante para entendam o que minha família passou.
Lembro que estava tudo bem com nossa vida. Levávamos uma vida simples... Meu esposo trabalhava de ajudante de pedreiro. Não tinha estudos. Alias, nem eu. A casa alugada... Sobrava pouco dinheiro. Tinha algumas privações... As duas crianças.... Dava do. Muitas vezes queriam alguma coisa que eu não podia comprar... Me dava muita tristeza não poder comprar uma simples barra de chocolate para para meus filhos. Lembro um dia que fiz um extra, uma faxina extra e comprei uma barra de chocolate e divido para os dois... Ele ficaram tão alegres! Nossa! Que felicidade eu sentia de ver meus dois filhotes felizes com o chocolate! A carinha deles... Lambuzada de chocolate... Rsrrs
Somos pobres. Meu marido não consegue nem pagar o básico das nossas despesas. Tenho 2 filhos. A vida não tem sido fácil para minha família. Meu marido é esforçado. Acompanho a luta dele para nos dar o mínimo de conforto. Mas infelizmente passamos necessidades.


(Sou ator. Escrevo e atuo ao mesmo tempo. Me emocionei muito com essa história. Viver essa simples dona de casa foi uma experiência muito difícil para mim. Essa mulher, na verdade é a junção de fragmentos de várias garotas de programa que conheci. Essa mulher forte e determinada são varias mulheres em uma so! O que até hoje me impressiona, é relato de uma garota de programa que morou na minha vaga me disse uma noite após o trabalho: mHojematendi 150 clientes! Ela chorou nos meus ombros e reclamava da intensa dor na região intima. No fundo achei que ela chorava mesmo era pela extrema agressão que havia sofrido. Isso que narrei, é apenas um resumo do que realmente acontece com as garotas de programa.// Tem muito de real nessa historia, pena que não posso falar mais nada.)

Escrita por Heliomar Melo

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

UM FEITIÇO E DOIS DESTINOS

Ha um tempo atrás... Numa pequena cidade do interior do Brasil...Um homem batia muito na sua esposa. As agressões eram contínuas. Ninguém se metia. Diziam que não se metiam em briga de marido e mulher. O tempo todo aquele a ameaçava com uma faca. Sempre a ameaçava com a mesma faca! Ele falava: se ela o abandonasse, ele a mataria! E aquela faca era o temor daquela mulher sofrida. Ela até tentou afastar-se dele, mas ele a encontrou. Ela não tinha parentes. Seus pais morreram quando ela ainda era criança . Aquela pobre não tinha a quem recorrer. Ficava a mercê do malvado marido.
Certa vez, Flora foi arrastada pelos cabelos na rua! Todos presenciaram aquela cena, mas ninguém se metia! O homem era muito bravo! A fama dele corria longe! Todos o temiam! Diziam as más línguas que ele já havia matado muitas pessoas! Ninguém sabe se era verdade ou não. Mas era a fama dele na região. Jonas era seu nome. Flora, a esposa, tentou pedir ajuda da policia mas não conseguiu. O machismo fazia parte daquela época. Bem diferente de hoje em dia.
Cansada de ser humilhada, Flora toma uma decisão. Vai procurar uma feiticeira muito conhecida na região. Afinal, ela já havia tentado os meios convencionais e nada dava certo.
A feiticeira morava num povoado não muito distante. Flora andou muito até chegar a casa da tal feiticeira. Um lugar praticamente deserto. As poucas casas estavam em ruínas. Exausta, Flora chega na tal casa com a aparência que dava arrepios. Bate na porta e uma senhora de cabelos brancos e muito malvestida a recebe. Com uma voz rouca, a velha chamou Flora para entrar e sentar. Enquanto a velha se retirou da sala... Flora analisava tudo a sua volta. Tudo ali era muito antigo. Minutos depois, a velha feiticeira entra na sala, prepara a mesa com objetos de magia negra... E inicia-se a sessão. Flora conta toda sua história. E em seguida pede a aquela senhora que faça um feitiço para neutralizar seu malvado marido. Combinaram o preço... Flora pagou... E logo a bruxa invocou seu espírito do mal. Quando a entidade veio, ela ja disse logo que o feitiço tinha um preço. Mas Flora não deu atenção, já havia pagado pelo serviço. A entidade explicou o que teria que ser feito. A faca que tanto a ameaçava devia ser enterrada. E que naquele momento, ele o agressor, nunca mais iria agredi - la novamente. (Flora já tinha lhe falado sobre a faca. A temida faca)
....................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................... onfessou lhe a verdade. Falou sobre a faca. Disse também que não podem desenterra a faca senão eles morreriam. A faca não poderia ser desenterrada de propósito. Essas eram as instruções da bruxa. Caso Flora pedisse alguém para desenterrar a Escrito por Heliomar Melo

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

IMPLOSĀO DE ESTRELAS

Uma tempestade não expressa o que sinto agora. Meu coração esta despedaçado. Estrelas implodem dentro do meu peito deixando o mesmo vazio de um buraco negro após a implosão de uma estrela.
Meu nome é Maria . Sou... lésbica. Estava tudo bem na minha vida. Após muito sofrimento para aceitar minha sexualidade, finalmente eu podia ser eu mesma! Não precisava mais manter a aparência para minha família, igrejas e amigos. A chuva de pedras ... Cessou. Eu estava feliz. Havia Encontrado minha amada. Ela me fazia tão bem... Ela era linda! Seus cabelos negros me deixava louca!! Enquanto ela se maquiava, eu ficava de longe observando e ao mesmo me perguntando se aquela linda garota era realmente minha, minha amada! Eu precisava mais dela que o ar que respiro! Lembro muito bem de quando íamos ao sitio de um amigo.Corríamos por entre as árvores... Jogávamos folhas secas uma na outra... Colocávamos folhas de bananeiras na grama para dormirmos ao ar livre. Enquanto nos aliviava do intenso calor do verão carioca, admirávamos as estrelas... Naquele momento não existia mais nada no mundo! Apenas eu e ela! Como eu era feliz!!
Certo dia ela... Faleceu. A perdí! Perdí meu amor! Me senti uma minúscula pluma voando ao vento sem direção. Foi tão difícil viver sem ela... Ela Faleceu de ... AIDS.E claro, eu também havia contraído o vírus da AIDS. Ela usava drogas injetáveis, foi dessa maneira que ela e eu fomos infectadas. Eu usei umas 2 vezes com ela. Compartilhamos a mesma agulha.Ela não sabia que tinha o vírus hiv, se soubesse, se avisaria. Eu tenho certeza disso! Ela me amava muito. Nunca mais usei drogas.
Enfrentei todos os problemas com o tratamento e estou mais viva do que nunca! Sei que agüentarei até inventarem uma vacina.
Passei 10 anos da minha vida esperando a morte. Morrí muitas vezes!Morri tantas vezes que... Cansei de esperar a morte! Decidí que viveria FELIZ e intensamente! Minha força se compara a um vulcão em plena atividade! Sou extremamente de BEM com a vida! Faço planos para futuro...
Juntei todos os meus trapos, peguei minhas economias, alguns amigos me emprestaram dinheiro e aqui estou eu, nos Estados Unidos!
Vivo numa comunidade de brasileiros muito grande. Noticias espalham como um rastro de pólvora! Viram meus medicamentos. Meu segredo acabou sendo conhecido por quase todos. Eu sempre soube que eles sabiam do meu segredo,mas fingia que não sabiam. Nesse meio tempo fiz muitos amigos. Eles me agradavam, eles sempre me procuravam solicitando meu trabalho. Estava indo bem. Mas... Como tem muitos religiosos aqui, eu sempre ouvia insinuações sobre minha sexualidade. Isso me incomodava. A principio ignorei, mas... Foi intensificando... Comecei a questionar o motivo de todo aquele preconceito. Eu dizia que Deus nao aprovaria que maltratassem, discriminassem o ser humano.Eu dizia que Deus jamais faria alguem sofrer. Que Deus jamais pediria para desaprovarem alguem por ser diferente. Questionei as passagens biblicas contra os gays,lesbicas.. etc. Disse que Deus nao escreveu nada daquilo. Homens maliciosos escreveram. E como um rastilho de pólvora ..... Algumas pessoas ficaram irritadas e a noticia se espalhou! Todos agora sabiam que eu era agnóstica!(agnostica-so acredita em Deus) Lésbica, agnóstica e soropositiva! Que bomba!
Por ser agnóstica e comentar sobre isso, fui transformada em ... A indesejada; a incômoda; a possuída; o demônio em pessoa! Os clientes... Foram sumindo.... Os sorrisos... Agora eram contidos.
Não discrimino ninguém. Acho que todos podemos viver harmoniosamente. Eu valorizo o ser humano! Tenho muito carinho por evangélicos, católicos, ateus, agnósticos, espíritas, budistas,etc. Se você esta feliz... Eu também estarei feliz!
........................................................................................................................................................................................................................................................................................................ Alguns humanos... Ainda tem muito que evoluir.

( Historia fictícia,qualquer semelhança é mera coincidência. Tudo aqui é fruto da minha imaginação. Gosto de encarnar personagens femininos porque a mulher é mais emotiva,sempre se tem bons resultados. Narrativas na primeira pessoa também fica interessante. Parece real. Foi .. EXTREMAMENTE “ difícil” viver a Maria. Sofrí muito! Grande abraço a todos! )

Escrito por Heliomar Melo

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

OS BEBÊS MAIAS

Os Maias, ainda hoje nos intriga com a sua misteriosa extinção.
Uma cultura muita rica... Conhecimento muito avançado na astronomia... Esse povo tinha vários clãs. Guerras e mais guerras foram travadas em busca de riquezas, status e poder.
Foram encontrados os últimos reis deste povo, mortos. Assinados! Os súditos estavam horrorizados! Todos da família real estavam mortos! A realeza tinha muitos inimigos. Os súditos, tinham que trabalhar muito para pagar os altos e absurdos impostos. O povo ja não aguentava mais! Também haviam os rituais de sacrifícios. O rei, com muita frequência, concedia um sacrifício humano aos deuses para que seu reinado continuasse forte e poderoso. O povo ja estava farto de tantos sacrifícios humanos! E por causa disso, toda a família real foi assassinada!
A partir daí, os últimos Maias tiveram finalmente a tão sonhada liberdade. Mas as coisas não estavam tão boas. Uma seca começou a dificultar ainda mais a vida desse povo. Mas mesmo assim, o restante dos maias, tentavam sobreviver. Não existia mais reinados, estavam livres e ao mesmo tempo... Preocupados. Estava chegando o décimo Katun (900 d.c.) que previa a sua total extinção! O fim do mundo! Nada sobreviveria quando chegasse o décimo katun! Até então, tudo previsto antes, tinha acontecido. Eles sabiam que não iriam sobreviver!
Faziam mais sacrifícios humanos em oferenda aos deuses, mas não adiantava! Não passariam do décimo Katun!
Alguns mais rebeldes desafiavam os conservadores dizendo que o mundo não acabaria no décimo katun. Diziam que existia o décimo primeiro Katun. Se existia outro Katun, supunham-se que o mundo não acabaria no Katun anterior! Supunham que o calendário continuaria. Se o calendário continua... Significa que o mundo não acabaria! Ninguém tinha visto o pergaminho com o décimo primeiro katun. Eram só especulações. E mais, era uma ofença duvidar das sagradas leis Maias! Podia-se ser condenado a morte por tais comentários! Por isso, os incrédulos e rebeldes , se calavam mesmo discordando.
Aproxima-se a tão terrível data. O DÉCIMO KATUN. Todos estão apreensivos! Os MAIAS, os últimos Maias, fazem os últimos preparativos para o fim de sua raça! O fim do mundo como previa a profecia sagrada maia! Os mais conservadores, ja tinham decidido que iriam morrer com honra. E decisões foram tomadas! Decidiram que iriam morrer um dia antes do fim do mundo. Seria... Um Suicídio COLETIVO! Assim ninguém sofreria, segundo seus líderes.Todos tomariam um poção de veneno. Diziam que era uma morte suave.
No penúltimo dia, uma mãe, inconformada com a decisão, invoca todas as outras mães com bebês de colo. Eram muitos bebês! A mãe rebelde não queria que os bebês morressem, apesar de a lei ser clara: Todos teriam que cometer suicídio coletivo! E contrariando a tradição, as mães fizeram um pacto.

Faltam poucas horas para o décimo katum. O fim do mundo, segundo o calendário Maia.Todos se reuniram em volta de um grande buraco feito embaixo de um dos monumentos Maias. Essa enorme sepultura coletiva, foi feita ao longo dos anos. A grande sepultura estava enfeitada com todas os tipos de flores! Pedras preciosas, Conchas, objetos pessoais, Cordões, penas sagradas. Cada canto estava cheio de adereços! Haviam umas grades de madeira que imitavam gavetas.Cabiam várias pessoas em pequeno espaço.
Todos cantavam em volta da grande sepultura. Mães choravam segurando seus bebês envolvidos em folhas de bananeira. Segundo a tradição, os bebês seriam mortos antes. As mulheres ficariam em um salão separado.
Tomariam gotas de veneno e seriam embrulhados em folhas frescas de bananeira. E deveriam ficar ao lado das respectivas mães.
Todos os Maias estavam com uma caneca na mão, se despediram e tomaram o mortal veneno. Posicionaram-se no chão, e aos poucos... Gemidos e delírios fazem parte daquele cenário.
E assim... Assistimos a suposta extinção da poderosa nação MAIA!
Dias mais tarde, numa aldeia de índios selvagens, encontram-se muitos bebês! Estavam no rio, dentro de várias canoas amarradas umas as outras. Estavam bem protegidas. Eram os bebês maias! As mães salvaram os bebês! O que tinham nas mãos na hora do suicídio, eram apenas folhas de bananeiras!

Os Maias não foram extintos!

(O início da historia foi pesquisado e é verdadeiro. O resto...é ficticio)


Escrito por Heliomar Melo

terça-feira, 21 de setembro de 2010

UMA ORQUĺDEA NO HOLOCAUSTO

Começa a grande caçada a todos que são diferentes para o ditador sanguinário Adolf Hitler. Segundo ele, iria purificar a raça humana. Criando uma raça que ele denominava, ariana. Segundo ele, uma raça pura! Todos que eram diferentes, seriam eliminados! Seus alvos: Ciganos; homossexuais; deficientes em geral; e em grandes proporções, judeus. Esses, eram em grande maioria. Existem discussões que tentam desviar a atenção dizendo que não eram só judeus. Que também estavam Incluídos os soldados de guerras perdidas que eram usados para trabalhos.
Uma família, 2 crianças o pai e mãe estão num porão escondidos. Soldados de Hitler vasculham todas as casas. Ecos de gritos assombrosos podem ser ouvidos a distância. A mãe tampa os ouvidos da pequena Yasmim. Eles se abraçam assustados com o que está por vir. O marido tenta inutilmente acalmar sua família. O menino, um pouco mais velho, não para de gritar. Ele sabe o que vai acontecer. Sabe que vão prendê-los. Seu pai tenta acalmá-lo. Tampa sua boca e pede que se cale.
O pai : Por Adonai, cale-se! Eles estão próximos! Por favor meu filho, cale -se. Por Deus, cale-se. Papai está aqui perto de você. Ta bom?
Mãe : Isso mesmo. Olha o estado da sua irmã. Por favor, não façam barulho. Quem sabe eles não nos encontram? Filha, largue essa planta. É apenas uma orquídea.
yasmim - Não mãe .Essa orquídea é nossa proteção.
Os soldados entram na casa destruindo tudo! Gritando ... e chutando tudo que via pela frente! Soltavam fogos para assustar. Vasculharam tudo até encontrar a família no porão. Foi agarrando todos pelos braços como se tivessem pegando animais para o abate. O pai tentou reagir para defender sua família mas apanhou na frente deles. Parou de reagir quando não tinha mais forças. Todos foram arrastados até um caminhão que já estava na porta da casa. Estava cheio de pessoas. Foi uma viagem de pesa....................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................... (pesquisei para escrever esta história. Tudo sobre a família é fruto de minha imaginação. É fictícia. Qualquer semelhança é pura coincidência. Não sei se passavam fome. Mas basta ver nas fotos e perceber que todos estavam extremamente magros. Então ... Conclui que passavam fome.)

Escrito por Helio mar Melo

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

OS ANJOS TAMBÉM SE APAIXONAM

Eu era apenas um adolescente.Era torturado com sensações estranhas.Eu tentava me livrar de tais pensamentos, mas não conseguia!Era uma tortura mental! Rezava e pedia a Deus para que me ajudasse .Para que tirasse aqueles pensamentos que tanto me perturbava.
Procurei o padre e expliquei a situação . Ele me disse que era uma possessão demoníaca .Que algo maligno queria se apoderar de mim. Que eu tinha
Que me livrar do mal. E assim, a cada dia eu ficava mais chateado. Os tais pensamentos malignos continuavam. Eu estava confuso. Eu era muito religioso. Tais pensamentos não eram compatíveis com minha religiosidade.
Fui orientado pelo pároco a ir para um seminário .Que o meu lugar era perto de deus. E que isso, esses pensamentos, iriam sumir. E assim, eu fiz. Estava disposto a virar padre e me livrar daquilo que tanto me perturbava.
Me aprofundei em leituras bíblicas . Horas e horas, dias e dias. Ensinamentos, e tudo que um padre deve saber.
Quanto a parte... sexual ,tive informações de como resolver. Tecnicas de como não ficar...naquele estado. De como não sentir...vontade por sexo. Chas e ervas calmantes foram incorporado no meu dia a dia. Também havia uma técnica mais radical.
E assim me tornei um padre. Fui para uma pequena cidade e comecei minha nova vida. Os pensamentos pecaminosos continuavam. Mas ja estava mais calmo e confiante. Um dia iriam sumir.
Eu gostava de ser padre. Estava finalmente em paz.
Minha missão era cuidar daquelas pessoas e protege- las de mas influencias .
Através do confessionario , eu podia saber dos segredos mais obscuros das pessoas daquela pequena cidade.
Segredos e mais segredos!Uma cidade aparentemente calma, guardava grandes e perversos segredos! As fofoqueiras sempre traziam informações .
Elas, com aquele jeito de quem não quer nada, informava sobre os desviados da cidade.E cuidadosamente eu preparava o sermão . Todo dia o
Sermão era direcionado a alguém. Eu olhava dentro dos olhos do pecador (a) e lançava informações que so serviam apenas para aquela
determinada pessoa!Algumas vezes era para a ex mocinha que estava... fazendo... aquilo...Aquele ato!
Outras, era para aquele rapaz com jeito delicado.E mais outra para aquelas mocas que prestam serviço ...aos homens,dizendo em entrelinhas e sutilmente que elas eram pecadoras.
Todo dia,ou melhor, toda noite o sermão era direcionado a alguém que não estava de acordo com as regras "normais" da moralidade.
Apesar de todo esforço ,eu não esquecia daquelas sensações . A cada dia aumentava ainda mais. E para piorar, veio um jovem padre para me ajudar nas obras da igreja. O jovem me perturbava muito. Perto daquele jovem,eu sentia com muito mais forca, as mesmas sensações anteriores.
Estávamos tão envolvidos nas tarefas da paróquia ... Me sentia feliz! Meus sentidos estavam mais apurados. Meus olhos estavam brilhantes.Todos podiam perceber que havia algo entre nos.
Certo dia resolvemos conversar sobre o assunto. Não foi fácil . Estávamos divididos entre a igreja e o amor. Chorávamos abraçados. Era um sentimento lindo. Não conseguíamos entender.Tentamos todas as técnicas que nos foram ensinadas,
mas não adiantava.O amor era mais forte!
Não conseguíamos mais esconder tanta paixão . Tempos mais tarde, somos excomungados. Todos nos viraram as costas.

Hoje vivemos felizes. Moramos num sitio bem longe da civilização . E com Deus em nossos corações , vivemos a nosso amor com intensidade.

Armadilhas do destino.

( obs.:Narrei em primeira pessoa por que achei que ficaria mais interessante. Não fui e Não conheço nenhum padre.Historia ficticia, qualquer semelhança é mera coincidência.Todo meu respeito a todos os padres.)


Escrito por Heliomar Melo

domingo, 5 de setembro de 2010

APENAS QUERIA SONHAR COM VOCÊ

Olá, sou Urzula . Nascí na Polônia e hoje moro em Londres . Lembro muito bem de quando tinha 15 anos e tive uma discussão com minha mãe. Fiquei chateada e fui para casa da minha avó passar uns dias. Dois dias após,minha irmã veio ao meu encontro dizendo que tinha algo grave para me falar. Fiquei sentada num lindo park próximo da casa da minha avó. Ao mesmo tempo ficava me perguntado o que seria tão importante para minha irmã vir de longe me encontrar ? Ela já chegou apavorada me dizendo para tomar uns comprimidos que estavam na sua mão... . Dei um tapa na sua mão e joguei bem longe os comprimidos! E já fui perguntando o que estava havendo! Ela me abraçou forte e disse que nossa mãe havia morrido! Nesse momento .... eu quis morrer !! Meu chão foi desmoronando... o céu caía sobre minha cabeça .... Eu gritava.. gritava... sentia como se um punhal estivesse enterrado no meu peito!! Rolava no chão arrancando gramas com extrema violência! O que mais me doía era saber que estávamos brigadas. Estávamos de mal uma com a outra... eu não teria uma única chance de lhe dar um abraço novamente.... Mamãe querida!!! Oh minha mãe, Como irei viver sem você? Você é meu chão ,meu aconchego.. meu tudo!! Por favor, volte para mim!! Volte para mim!!! Eu preciso de você!! Eu preciso de vocêêêê....
Essa dor perdurou por quase dois anos. Eu não aceitava a morte de mamãe. Não me perdoava por ter saído de casa . Papai andava inconsolável. Ele também não aceitava a morte de mamãe. Mas um dia ele disse que sonhou com ela. Ela disse que ele teria que seguir sua vida. Refazer sua vida. Aliais, quase todos da família havia sonhado com ela. Apenas eu não sonhava com ela. Será que mamãe estava chateada comigo? Acredito que não. Ela sabe o quanto a amei. Sempre a amarei!! Guardarei esse santinho que ela me deu por toda a minha existência!
Certa noite tive um sonho com ela, o primeiro depois de 2 e meio da sua morte. Sonhei que ela estava debaixo da mesa de jantar. Abaixei e perguntei onde ela estava esse tempo todo. Ela respondeu que sempre esteve do meu lado. Acordei alegre no dia seguinte. Estava feliz por ter sonhado com minha mãe! Sentia livre da culpa de ter discutido com ela e saído de casa. A partir daí, seguí adiante com minha vida.
O segundo sonho foi fantástico! Estava tendo um sonho angustiante. Algo,alguém estava sentado nos meus pés. Aquilo me fazia sofrer. Em seguida minha mãe apareceu no mesmo sonho e disse para à aquela pessoa que saísse dali. Que estava em lugar errado e com a pessoa errada. Que aquela pessoa era sua querida e adorada filha e que estava sob sua proteção . O fantasma afastou se de mim. Acordei bem cedo e extremamente feliz, passei no mercado de flores e escolhi as mais belas rosas para mamãe. Quando encontrei o seu túmulo, ajoelhei, e disse a ela: Adorada e querida mamãe, a senhora sempre estará no meu coração . Te manterei viva na minha mente até o fim da minha existência!! Te amo muito!! Descanse em paz.

Uma segunda chance...

(Obs.: história real. Não tenho certeza se elas estavam brigadas. Acho que entendi isso. A conversa foi em inglês. A Urzula Sasimowska ,uma polonesa que é minha cliente e amiga , meu autorizou a escrever sua história. E ainda pediu que colocasse seu nome. Urzula, todo meu carinho ... me perdoe se acrescentei um pouco ou retirei.. tentei fazer o mais perfeito possível. Um grande abraço!!)

Escrito por Heliomar Melo

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

OS ÚLTIMOS ALIENÍGENAS NA TERRA

Ano 10.000 a.c. , meus antepassados começam a fazer as primeiras experiências com animais na terra. Nosso planeta, que fica numa galáxia bem distante, estava e está prestes a desaparecer. Meu povo não pode habitar a terra na forma alienígena. O ar e muitos elementos que compõem o ambiente terrestre nos destruiria. Na nossa forma origina, seríamos exterminados no ambiente terrestre. Na verdade, derreteríamos. Tornaríamos poeira ao contato com a atmosfera terrestre. Por isso não invadimos a terra até agora. Nossos cientistas precisavam nos modificar geneticamente. Essa mudança genética não podia acontecer direto de humanos. Ou seja, não se podia transformar alienígenas em humanos. Não diretamente. E assim nossos antepassados fizeram as primeiras experiências para nos transformar em semi-humanos. O que sou agora. Sou parte humano e parte alienígena. Tempos passaram desde as primeiras experiências e meus antepassados tinham corpo de humano e cabeça de animal. Fomos considerados aberrações e perseguidos por muito tempo.
No auge do antigo Egito, começaram a nos confundir com Deuses. Antigos povos egípcios nos adoravam como Deuses. A principio era estranho. Afinal, na nossa cultura não adoramos deuses. Adoramos uns aos outros. Somos.... Conectados. Somos apenas um! Todos nós somos apenas UM. Complicado explicar pela lógica terrestre. Basicamente somos como um motor de carro. Todas as peças se encaixam para que o motor funcione. Todos por um!
Voltando aos deuses: Aproveitamos a ideia de termos sidos confundidos com deuses para continuarmos nossas experiências. Era muito conveniente essa historia de deuses. Enquanto acreditavam nisso, estaríamos protegidos para continuarmos com nossas experiências. Basta pesquisar na internet que verá desenhos das nossas antigas formas em monumentos egípcios. Nossas espaçonaves eram vistas nos céus do antigo Egito com frequência. Eles nos descreviam como discos de fogo.
Após ter conseguido fazer a mutação de alienígenas em humanos, a missão será trazer todos os alienígenas para a terra. Uma espécie de invasão pacifica. Todos os descendentes de alienígenas ou humanos com genes alienígenas, são abduzidos e é feito um ... Ajuste. Traduzindo: Um neurônio é ativado. O neurônio alienígena é ativado. Seria mais ou menos como ativar o lado alienígena. Mas isso não acontece com todos os semi- alienígenas. Alguns tem grau menos avançado. São abduzidos e não conseguem lembrar muito do que aconteceu. Mesmo sendo descendente de mutantes da antiguidade... Sua herança genética alienígena não é suficiente para ativar a memória alienígena. Nesse caso... Prevaleceu o lado humano. Essa ativação é feita por que com o passar dos tempos, o lado humano pode prevalecer e o lado alienígena pode ser esquecido. Essa é uma explicação de o porquê de algumas pessoas serem abduzidas e outras não. So são abduzidos os alienígenas. Ou seja, as pessoas que tem maior quantidade de genes alienígenas. Os humanos normais não são abduzidos.
Uma vez ativado o neurônio, este fica a espera da grande invasão. So nós, alienígenas, somos abduzidos ou vemos disco voador, óvnis e etc. Nós, alienígenas terrestres, estamos conectados telepaticamente com todos os outros alienígenas! Uns conscientes e muitos outros inconscientes. Lembra quando vemos uma pessoa pela primeira e temos a impressão que a conhecemos? " pode " ser que sejamos alienígenas na mesma frequência! Somos milhares e milhares de alienígenas habitando a terra! Filhos e mais filhos de alienígenas nascem todos os dias! Tentamos ter o maior numero de descendentes possível. Temos pressa! Precisamos de muitos corpos!
Muitas abduções são para fazer a transferência de mentes. Quando os alienígenas semi-humanos estão prontos, uma espaçonave abduz muitos terrestres para fazer a transferência de mente.
Alienígenas vem nessas super naves protegidas da atmosfera terrestre e todos os humanos geneticamente modificados são abduzidos e dentro da fantástica nave é feita a transferência de mente. O corpo do alienígena que acaba de chegar do seu planeta em ruínas é desativado e sua mente salva no cérebro do humano com gene modificado alienígena. A mente dos humanos transplantados não é apagada totalmente. Ou seja, a lado humano da mente é apagado parcialmente prevalecendo mais o lado alienígena.
Quando tivermos corpos humanos geneticamente modificados suficientes para o restante dos alienígenas que ainda estão no nosso planeta, ativaremos 100% da mente dos alienígenas transplantados. Ai sim, faremos a invasão da terra! Invadiremos a mente dos terráqueos e faremos da terra o nosso lar! Com tempo e com nossa tecnologia, apagaremos a memória humana deixando apenas a memória alienígena.

Enquanto os alienígenas não vem....

(OBS.: não sou e não conheço nenhum alienígena. Historia fictícia. Qualquer semelhança é mera coincidência. Não foi baseado em nenhuma história. Fruto da minha imaginação.)

Escrito por Heliomar Melo

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

O FANTASMA DA ENCRUZILHADA

Era apenas um pequeno povoado. Parece que o tempo não passou para aquelas pessoas simples e supersticiosas. Não existia aumotoveis . So se locomoviam a pe ,de carroça e a cavalo.
Quando precisam de mantimentos, tinham que ir na cidade vizinha.E so tinha uma estreita estrada de chão para chegar la.
Passam se anos e anos e o povoado continua do mesmo jeito! Nada muda!
A vida no povoado seria normal, se não fosse um FANTASMA que vive aterrorizando esse povo simples e humilde. Todo verão era a mesma coisa! Tinha famílias que ate passavam algumas privações . Se precisassem de algum mantimento a noite. ..Ninguém ia na cidade vizinha! Tinham medo do FANTASMA DA ENCRUZILHADA! Ninguém se atrevia a atravessar aquela encruzilhada!
Os relatos das aparições eram constantes. Diziam que quando aproximavam da encruzilhada, algo estranho acontecia. Sentia se um vento forte que nenhum chapéu parava na cabeça . Os cavalos assustavam e saiam em disparada. Inclusive aconteceram muitos acidentes por causa disso. Também disseram que algo tenta agarrar as pessoas pelas as costas. Todos estavam muito assustados! E o fantasma so aparecia no verão . Ninguém entendia por que ele so vinha no verão .
Ano vai, ano vem e as historias eram sempre assustadoras. Ate que um dia, veio morar no pequeno vilarejo um homem corajoso. Ele dizia que fantasma não existe. O recém chegado, por alguma razão , era querido pelas crianças e adultos. Tinha uma boa energia que era visível . Era carismático . Adorava contar historias! Era comum ver um monte de pessoas a sua volta para ouvir suas historias. Muitas sobre a cidade grande.
Ja cansado de ouvir sobre o fantasma, nosso futuro herói , faz uma promessa a todos do vilarejo. Que ao final daquela noite, desvendaria o mistério do fantasma da encruzilhada! Ja que ele não acreditava em fantasmas! O pessoal ainda tentou fazer com que ele desistisse. Mas ele não quis!
Era quase meia noite. Ele estava no meio da praça e via as portas das casas se fechando. Ele percebia no olhar de cada um, uma sensação de perda.De pena. Mas mesmo assim não desanimou! Saiu em direção a tão temida encruzilhada.
Seu cavalo ia devagar. Ate parecia que o animal sabia o que estava por vir. Quando estava próximo ,nosso bravo herói desceu do cavalo e foi andando de devagar em direção ao lugar onde aparecia o fantasma. Ele via uma arvore frondosa bem na encruzilhada. Exatamente onde disseram que o fantasma atacava as pessoas. Ele aproveitou que a lua estava cheia e ficou observando escondido numa moita perto da encruzilhada. Observava... Observava.... Mas nada do fantasma! Cadê o fantasma? Eram quase 3 da madrugada quando veio um cavaleiro desavisado para atravessar a encruzilhada. Nosso herói ficou observando. Quando o cavaleiro estava embaixo da arvore...Algo aconteceu! O chapeu do cavaleiro voou longe! E este saiu em desespero. E nosso herói não conseguiu ver nenhum fantasma! Nada! Mas ainda assim, ele continuou ate amanhecer. Quando começou a clarear, percebia se uma grande coruja em cima da arvore! Exatamente no galho que ficava em cima da estrada! Ou seja, todos que aproximavam da arvore, a coruja atacava! Atacava para defender seu ninho!Mas ninguém conseguia ve- la! Era rápida e o medo impedia as pessoas ate de olharem para trás ! rsrs
Nosso herói pegou sua espingarda e atirou na coruja.
Chegou de manha no povoado gritando que havia pego o fantasma. Mostrando a coruja morta a todos!
E assim termina o pesadelo de um superticioso vilarejo.

Obs.: Historia verdadeira. Um amigo me contou. E foi ele quem matou a coruja.Acho que não precisava matar a coruja. Mas....

Superstições ...

Escrito por Heliomar Melo
Minha foto
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brazil
Escrevo com a emocao e com o coracao. Bem Vindo a Minha Mente!!